Categories: Ciência/Tecnologia

Dicas de Iluminação de Emergência para Casas e Prédios

ads

ads

Em situações de emergência, a iluminação é um componente vital para a segurança das pessoas e para o sucesso da evacuação. A iluminação de emergência deve fornecer uma luz brilhante o suficiente para permitir que as pessoas vejam onde estão indo, mas não tão brilhante que cega as pessoas ou prejudique a visibilidade. Além disso, a iluminação de emergência deve ser projetada para manter sua luminosidade por um longo período de tempo, geralmente 3 horas ou mais.

A iluminação de emergência é normalmente fornecida por luzes de saída de emergência que ficam no teto do edifício e são ativadas automaticamente quando ocorre uma interrupção na energia elétrica. No entanto, existem outros tipos de iluminação de emergência disponíveis, como luzes portáteis e luzes solares.

As luzes portáteis são úteis em situações em que as luzes fixas não estão funcionando ou não estão disponíveis. As luzes solares são uma opção ideal para edifícios que não têm acesso à rede elétrica ou que estão em áreas sujeitas a cortes de energia frequentes.

Quando escolher um tipo de iluminação de emergência, é importante considerar qual é a melhor opção para o seu edifício e para as pessoas que nele vivem ou trabalham. Se você tem dúvidas sobre qual tipo de iluminação de emergência comprar, consulte um especialista em segurança do trabalho ou um engenheiro elétrico licenciado.

Tipos de Iluminação de Emergência

A iluminação de emergência é um sistema de iluminação que fornece luz em caso de falha na fonte principal de energia. Existem vários tipos de sistemas de iluminação de emergência, cada um com suas próprias vantagens e desvantagens. Aqui estão os cinco principais tipos:

  1. Sistemas a bateria: esses sistemas usam baterias para alimentar as lâmpadas durante uma falha de energia. A vantagem é que eles não requerem nenhuma conexão com a rede elétrica, o que os torna mais confiáveis ​​em situações de emergência. A desvantagem é que as baterias precisam ser substituídas periodicamente e podem se descarregar rapidamente se forem usadas com frequência.
  2. Sistemas geradores: esses sistemas usam um gerador para fornecer energia às lâmpadas durante uma falha na rede elétrica. A vantagem é que eles podem fornecer energia por um longo período de tempo, mesmo em situações de grande demanda. A desvantagem é que os geradores podem ser caros e complicados de manter.
  3. Sistemas solares: esses sistemas usam painéis solares para converter a luz do sol em energia elétrica, que é então armazenada em baterias para alimentar as lâmpadas durante uma falha na rede elétrica. A vantagem é que eles são totalmente independentes da rede elétrica, o que os torna extremamente confiáveis ​​no caso de um apagão prolongado. A desvantagem é que eles podem ser caros e complexos de instalar.
  4. Sistema híbrido: esse tipo de sistema combina dois ou mais dos outros tipos de sistema, geralmente usando baterias e geradores como backup para painéis solares ou outras fontes alternativas de energia. A vantagem é que eles oferecem a maior flexibilidade e confiabilidade, pois podem usar qualquer fonte disponível para alimentar as lâmpadas. A desvantagem é que eles tendem a ser mais caros do que os outros tipos de sistema.
  5. Sistema LED: esse tipo recentemente desenvolvido de iluminação usa diodos emissores de luz (LEDs) para emitir luz, o que torna possível criar lâmpadas extremamente brilhantes com pouca energia. A vantagem é que os LEDs têm uma longa vida útil e consomem muito pouca energia, o que significa que esses sistemas podem funcionar por longos períodos sem necessidade de reposição das lâmpadas ou das baterias . A desvantagens dos LEDs ainda está sendo determinada, mas pode haver problemas relacionados à sua disposição geométrica nas luminárias convencionais (por exemplo, difusão da luz em ângulos amplos).

Confira mais dicas de iluminação.

Related Post

Como instalar iluminação elétrica?

Iluminação de emergência é um sistema projetado para fornecer iluminação de segurança em caso de falha de energia elétrica. Esses sistemas geralmente são alimentados por baterias e, portanto, podem funcionar independentemente da rede elétrica. A iluminação de emergência pode ser uma parte importante de um plano de segurança do edifício e, como tal, é importante saber como instalar esses sistemas.

Existem três componentes principais de um sistema de iluminação de emergência: as luzes, os controles e as baterias. As luzes podem ser incandescentes, fluorescentes ou a LED. Os controles geralmente consistem em um interruptor que liga e desliga o sistema e um dispositivo que monitora a rede elétrica para detectar falhas. As baterias alimentam as luzes durante a falha na energia elétrica.

O primeiro passo ao instalar uma iluminação de emergência é determinar onde as luzes serão necessárias. Geralmente, isso inclui áreas comuns como corredores, escadas e salas de estar, bem como áreas específicas como laboratórios ou salas de serviços públicos. Depois que os locais foram determinados, é hora de escolher os tipos de lâmpadas que serão usadas. As lâmpadas incandescentes são mais baratas, mas também consomem mais energia. As lâmpadas fluorescentes economizam energia, mas podem não ter a mesma vida útil nas condições adversas do corte de energia. As luzes LED oferecem a melhor combinação de economia energética e longa vida útil, mas também podem ser as mais caras das três opções.

Uma vez que os tipos das luzes foram determinados, é hora de pensar nos controles e nas baterias que irão alimentá-las. O controle mais simples é apenas um interruptor ligado/desligado que pode ser acionado manualmente quando houver uma interrupção na energia elétrica. No entanto, esses controles manuais requerem que alguém esteja presente para ativá-los quando for necessário e podem não ser adequados para todas as situações. Outro tipo popular de controle é o sensor fotoelétrico que detecta a interrupção da rede elétrica e automaticamente aciona o sistema de iluminação de emergência. Esses dispositivos geralmente também possuem um temporizador para desligar o sistema após uma determinada quantidade de tempo (geralmente 1-2 horas). No entanto, os sensores fotoelétricos podem não funcionar adequadamente em áreas com muita poluição ou sujeira no ar.

As baterias são outro componente crucial dos sistemas de iluminação de emergência e geralmente consistem em pilhas secundárias (baterias recarregáveis) ou acumuladores (baterias não recarregáveis). As pilhas secundárias têm maior capacidade e vida útil do que as baterias não recarregáveis, mas também requerem manutenção regular (geralmente uma vez por ano) para manter sua capacidade máxima. Os acumuladores geralmente têm menor capacidade do que as pilhas secundárias, mas não requerem manutenção regulares e costumam ter um custo inicial mais baixo. Uma vez que os tipos das baterias foram determinados, é importante considerar onde elas seriam armazenadas no caso de uma falha na energia elétrica. É importante lembrar que as baterias precisam estar localizadas perto das luzes para evitar longos cabos (que podem representar um risco) e para permitir que o sistema funcione corretamente durante uma falha da rede elétrica.

ads
Seu informativo Premium

Últimas notícias do Brasil e do mundo, sobre política, economia, emprego, educação, saúde, meio ambiente, tecnologia, ciência, cultura e carros.

Share
Published by
Seu informativo Premium

Recent Posts

Como adquirir um bom sistema de transporte para a sua empresa?

Como adquirir um bom sistema de transporte para a sua empresa? Nem todos os negócios… Read More

2 meses ago

Curiosidades sobre o Mundo da Arquitetura

Arquitetura é uma arte antiga que remonta às primeiras civilizações. A arquitetura é o projeto… Read More

2 meses ago

Morre Marília Mendonça, aos 26 anos

ÇA AOS 26 ANOS ELA ESTAVA EM UM AVIÃO BIMOTOR QUE CAIU A TARDE NA… Read More

9 meses ago

Famosos lamentam morte de Marília Mendonça

FILHINHO DE PÉ. AMIGOS ARTISTAS E PARCEIROS DE PALCO DE MARÍLIA LAMENTARAM A MORTE DA… Read More

9 meses ago

Câncer de mama: Mitos e Verdades

Olá, eu sou Priscila Santos, eu sou médica mastologista aqui do Instituto Amato. Hoje nós… Read More

10 meses ago

Cobrança pelo WhatsApp: 5 dicas para criar sua mensagem

Olá! Eu sou o Diogo, da Soften Sistemas. E hoje nós vamos falar um pouquinho… Read More

10 meses ago
ads